Serviços Imobiliários

Segurança e Acessibilidade em Construções

Uma pauta amplamente abordada atualmente é como é feita a acessibilidade em construções de diferentes portes, seja empresarial ou residencial.

Inovação dentro do mercado de construção é um tema recorrente e que sempre gera discussões saudáveis. Essas inovações vão além do uso de tecnologias no dia a dia dos processos, ela envolve diversos outros temas.

As conversas a respeito da implementação de técnicas sustentáveis nas construções levou ao avanço claro de todo o setor, e atualmente é muito comum o uso de manta térmica para laje para economizar com aquecedores, por exemplo.

Neste mesmo caminho devem seguir as conversas a respeito de incluir acessibilidade desde o primeiro passo do planejamento de uma obra, reforma ou construção.

Compreender as necessidades de todos os cidadãos e colocá-las como prioridade ao planejar um espaço não é um ato de compaixão, mas sim de profissionalismo.

Do mesmo modo que um projeto de prevenção e combate a incêndio é indispensável na obra, transformar o espaço acessível também é, pois ambos trazem segurança a todos os usuários.

Portanto, conheça abaixo o que é a acessibilidade nas construções e como ela pode ser colocada em prática, considerando diversas situações.

O que é a acessibilidade na construção?

Um dos significados para acessibilidade no dicionário da língua portuguesa é “possibilidade de obter algo”. Esta é uma tradução justa para como deve ser considerada a acessibilidade, principalmente nos planejamentos da construção civil.

Adaptar um espaço com a inclusão de corrimão, pisos tátil ou chão antiderrapante é garantir o direito para pessoas com algum tipo de dificuldade de locomoção o acesso a todos os ambientes.

As palavras-chave quando se fala em acessibilidade são: liberdade, autonomia e segurança. Elas servem como guias para que todas as construtoras busquem organizar suas ações focadas em cada uma delas.

Liberdade diz respeito aos direitos fundamentais de todos os cidadãos, como ir e vir, por exemplo. Quanto mais espaços possuírem instalações que garantam a acessibilidade, maior será a democratização dos espaços para todos.

O significado de autonomia é “capacidade de governar-se pelos próprios meios”, e devemos lembrar que nem todas as pessoas com limitações desejam ser auxiliadas em suas ações mais básicas.

Portanto é preciso que os espaços que elas habitam tenham opções para que consigam desenvolver essa autonomia, tendo todas as funções sendo realizadas por si só.

Em todas as ações realizadas por seres humanos, é importante que antes de tudo seja pensada a forma mais segura de realizá-la. Por esse motivo é usado o ponto de ancoragem em inúmeras ações, por exemplo.

Essa segurança também deve ser garantida dentro dos espaços projetados na construção civil, afinal a locomoção de todos deve ser garantida de forma segura e sem acidentes, assim como garantem todos os órgãos de controle desta área.

Leis que garantem a acessibilidade

Para o bom funcionamento de diversos elementos dentro das formas de construção, é preciso que existam leis que ditem esse funcionamento. A instalação de uma veneziana industrial segue normas claras de dimensão e luminosidade, por exemplo.

Com relação a acessibilidade dentro dos projetos da construção civil tem-se o mesmo caminho.

A Norma Técnica de Acessibilidade a Edificações, Mobiliário, Espaços e Equipamentos Urbanos, que é uma resolução da ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas, traz diversas especificações de como deve ser garantida a acessibilidade em construções.

Ela traz considerações sobre sinalização de vias públicas, parâmetros que devem ser seguidos na ergonomia da instalação de móveis ou estruturas e até diretrizes de como devem ser instalados interruptores.

Também são definidas informações referentes a quais os melhores materiais para cada espaço, como a instalação de porta vai e vem em determinados ambientes, ou portões automáticos em outros, por exemplo.

Quem garante se todos os espaços estão seguindo as normas de acessibilidade da ABNT é o CREA, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia, sendo também uma responsabilidade dos órgãos emissores de licenças e documentações.

Entendendo a importância dessa acessibilidade nos espaços projetados e como elas são cobradas e sinalizadas, é preciso também entender formas de colocar essa ideia em prática.

Como colocar a acessibilidade em prática?

Para além de conhecer o que é e como a acessibilidade auxilia a todos os cidadãos, é preciso entender formas de colocá-la em prática no dia a dia dos planejamentos.

Quando um projeto de saneamento é iniciado, os profissionais já identificam os materiais que serão necessários, como os registros de ferro para saneamento ou as dimensões dos canos usados, por exemplo.

Para os projetos de arquitetura é preciso encontrar os espaços onde podem ser colocadas alterações para promover a acessibilidade, como:

  • Rampas de acesso;
  • Movimentação nas passagens;
  • Escadas;
  • Pisos antiderrapantes;
  • Barras de apoio;
  • Automação;
  • Mecanismos de acionamento.

Cada um destes espaços possuem especificidades definidas para acessibilidade, que devem também atender as normas definidas pela ABNT, como citado aqui.

Conheça então os detalhes referentes às instalações de acessibilidade em cada destes espaços citados.

Rampas de acesso

Esta é umas das opções de acessibilidade mais encontradas nos espaços comuns das cidades, tanto pequenas quanto grandes.

Bancos, escolas, repartições públicas e privadas, residências e também edifícios empresariais são munidos por rampas em diversos espaços de sua extensão, desde a entrada até estruturas internas.

É extremamente importante pensar na inclusão de rampas no processo, pois elas auxiliam diversos grupos de cidadãos, desde pessoas em cadeira de rodas até idosos com dificuldade de locomoção.

Para garantir a segurança e o bem-estar destes usuários, os profissionais que projetam as rampas devem pensar na estrutura de cada uma delas, considerando o espaço e a inclinação que elas terão.

O recomendado nesse caso é que esta inclinação não ultrapasse 8%, pois caso não haja a possibilidade de garantir esse percentual, será preciso incluir outras formas de acesso, como adaptação da rampa com plataformas de descanso ou inclusão de elevadores de apoio.

Garantir movimentação nas passagens

As portas e corredores são alguns dos espaços que mais precisam de planejamento, afinal estão presentes em todos os tipos de espaços, desde os empresariais até os residenciais, sendo em menor ou maior escala.

As adaptações desses espaços devem considerar todos os tipos de limitações no movimento, para assim incluir formas de adaptabilidade.

Portanto é importante pensar nas dimensões dos corredores, que devem ter no mínimo 90 cm de largura, assim como os espaços entre os batentes das portas, que precisam seguir a mesma medida.

Também devem ser pensados os trilhos das portas, que devem ficar somente nas partes superiores, para evitar se tornar um obstáculo quando presente no chão.

Escadarias

Alguns elementos em um espaço podem transformá-lo, dando um diferencial, como a presença de uma churrasqueira a bafo profissional em uma área de lazer, por exemplo. Outro ponto são escadas projetadas entre andares ou na entrada de espaços.

Com a grande presença destas escadas em diversas áreas, é preciso pensar em formas de torná-las acessíveis a todos, portanto é preciso pensar em segurança e facilidade de uso.

Elas devem possuir no máximo 1% de inclinação em espaços internos, enquanto nos externos podem ser de até 2%. Nas duas opções é obrigatória a presença de um guarda-corpo e também de um corrimão para garantir a segurança.

Pisos antiderrapantes

Alguns dos principais acidentes em terrenos planos são causados por escorregões, principalmente se houver a possibilidade da existência de pisos molhados, como em piscinas, banheiros ou áreas de lazer.

Para evitar este tipo de situação é preciso realizar a instalação de pisos antiderrapantes, que contará com elementos que dificultam a possibilidade de escorregões e outros acidentes.

Contudo, estes elementos antiderrapantes devem ser fixos ao chão, sendo próprios dos pisos, ou colados de forma a ser resistente, por esse motivo não é recomendado o uso de tapetes como função antiderrapante.

Barras de apoio

As barras são elementos que garantem, além de segurança, um nível a mais de conforto e intimidade, afinal pessoas que precisam de apoio para certas atividades poderão usar as barras para garantir sua locomoção em espaços como banheiro, por exemplo.

No geral, elas são instaladas em banheiros ou regiões que serão de transição para os usuários, como próximo a cama ou corredores, dependendo da necessidade de cada espaço.

As barras sempre deverão ser de aço inox, que é um material não corrosivo, garantindo durabilidade. Além disso, a parte ergonômica da barra deve ser levada em consideração e de fácil apoio, pensada de forma a não prender o braço de quem a utiliza.

Automação

Os processos de automação não facilitam apenas sistemas e softwares de grandes empresas, elas também podem ser grandes aliadas quando se trata da acessibilidade de espaços.

A ativação de luzes, abertura de portas e o acionamento de alguns aparelhos podem ser feitos de forma automatizada, o que garante o uso destes dispositivos a grupos com algum grau de dificuldade.

Acessibilidade não é apenas uma tendência do momento que busca aumentar o poder competitivo de empresas e construtoras, ela é na verdade um compromisso com a sociedade como um todo, portanto deve ser levado de forma séria e responsável. Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × um =